quarta-feira, 27 de maio de 2009

PRIMEIRO CONTO, DEPOIS ESCREVO

Todo livro que se preze ou todo conto que preste deve começar com:
Era uma vez....
Como não sei se este vai prestar, vou começar com: Descobri porque não consigo escrever quando estou com alguém. Porque este alguém vai ler aquilo que estou tentando escrever. E, isto me deixa sem muita tesão. Ler aquilo que escrevo sem a minha permissão é como ler minha alma, vasculhar minha carteira, procurar nos meus bolsos coisas que não existem. É proibir minha privacidade, e todo mundo tem a sua. É desvendar toda uma vida e suas lembranças.
Sendo assim, não posso começar escrevendo: Era uma vez.....
Obrigada, por não ler.

Enfim, preciso começar uma história que nem mesmo sei como. Eu sempre desejei escrever um livro. Sempre quis ser escritora, viver disso (ainda desejo). Cheguei a fazer a faculdade de jornalismo. Tempinho bom aquele em que tudo era novidade, tudo era uma descoberta preciosa. Tudo era vida.

2 Comentários:

Adriana P. disse...

Tudo é vida, "vida é travessia".
Bota o pé na ponte, às vezes não é firme, mas já provaste ser uma equilibrista.
Amo tu Lidialinda!!

adelaidekeller disse...

Estou orgulhosa de vc amiga.esta é a mulher atrevida, guerreira e destemida q aprendi a admirar.
Beijos Mágicos em teu coração