quinta-feira, 18 de junho de 2009

LOUCA COMO UMA FLOR

(imagem: Lídia)
Conheci uma louca, desvairada e meiga criatura
que da net saiu como doidos versos e inversos
Saiu da jaula das loucas numa pureza que dá medo
Encantada criatura, indefinida escrita que me espanta

Leio seus loucos e sensatos versos como aprendiz
Como não amar pessoa assim
Irônica, malvada e docemente meiga
Escreve versos como quem vive e reviravolta

Revira tudo e todos, até ela
Come livros estranhos e pão com mortadela
Sua timidez briga como fera enjaulada
Escreve impropérios e doces romances

Linda alma não descoberta pelos idiotas
que machucaram tão meiga donzela
Feito águia protege sua cria
Feito fera mata quem machuca

4 Comentários:

Arlete disse...

...rsss...dias sem passar por aqui, sem tempo pra mim, sem espiar estas "gavetas"... mas cada vez q volto, me surpreendo sempre com tua escrita... lindo dom! Parabéns!..bju

Adriana P. disse...

Por seres poeta, obrigada.
Adoro tu, adoro quem emenda/remenda a vida com palavras.
Bjs nintu, coisinha lindonaôôô!!!!!!

adelaidekeller disse...

Maravilhosa
Como sempre vc fala de alma para alma sem rodeios e sem temores vc se expõe e expõe a alma do homem...
Beijos Mágicos Amore

blue velvet disse...

torno a escrever que adoro esta tua forma desnuda, despudorada de escrever..
adoro este poema e muitos outros que leio aqui. as vzs nas gavetas, às vzs no baú.
beijos