domingo, 28 de novembro de 2010

O Luto das Gavetas

“Jogar tudo fora e começar de novo é a mesma coisa que tentar reconstruir um avião em pleno vôo. Não se explica o que fazer com as vítimas no momento da queda”.
Confesso: tô sem tesão de escrever, de responder recados no orkut, no blog, no celular, e-mail, carta, pombo correio, sinais de fumaça, aff... só não dispenso um abraço.
Aquele negócio de sair do casulo, ser eu mesma e blá blá blá... não é tarefa fácil. Demorei pra confessar, até porque nem pra isso eu tinha “saco”. São transformações, que peço paciência a Deus e a vocês. Nem eu sei onde vou chegar. Nem eu sei quem vai restar. Só sei que tô em pesada transformação, mas a vida é isso né.. não sou estagnada, sou revoltada com a paralisia.
Mas, por favor, não me cobrem, já faço isso muito bem.
Outra coisa, anteriormente eu passava o dia inteiro na net. Podia falar com todos, conversar, confidenciar e ser confidenciada, hoje não. Aposentei, mas mesmo assim tento alguns “bicos”, sabem que salário mínimo não sustenta ninguém. Portanto, já não fico aqui o tempo todo. Minhas aspirações se transformaram e radicalizaram. Mesmo assim, pessoas me cobram o fato de não estar disponível.
Juro que estou, porém de forma diferente e mais centrada, ou não. Amo comentários no blog sei que “devo” respostas.
Tenho momentos de fuga, momentos de fome, de reflexão, momento só meu, aqueles que escrevo, outros que descrevo, de depressões, do respondo depois, do remember, do tô curtindo minha casa nova, tô caminhando, fumando e bebendo, dos florais e homeopatia, do pensando, do fugindo, do não sou poeta, do penso que escrevo, da culpa, da cobrança, do ficando velha e continuo adolescente, do “dexa pra depois”, do “desculpe o auê”..
Há também, momentos de apego, do desassossego, do aconchego, do bocejo e assim vai, momento a momento.
Sumida ou assumida, vezes me acho outras me perco, me off ou me on tanto faz.
Com certeza é um momento que ainda não consegui explicar pra mim mesma, sou assim, confusa e fujona, às vezes, mas volto. Eu não paro, eu me fujo, eu reciclo, eu renasço, eu escrevo e descrevo, eu penso (demais) e existo.
 Não sei se tenho fugido de mim ou pra mim. Só sei que tô apática e zen. Uma espécie de troca do virtual pelo real, coisa difícil, pois eu estava encravada neste mundo. A impressão que tenho é que quero sentar os pés no chão e tirar a bunda da cadeira.
São difíceis as conseqüências a que estou me submetendo em prol da mudança. Não devo estar agradando aos virtuais e aos reais ainda submeto a criticas e escolhas daquilo que me cabe. A mudança ainda não acabou.
 
Não pensem que está sendo fácil, apenas não tenho vontade de teclar.
Desde a minha revirada de gavetas, mudança de casa e aposentadoria (fechar minha empresa) até hoje, eu não tinha idéia das conseqüências. Hoje, em plena transformação, temo pelo resultado disso tudo. Não faço idéia da recriação, muito menos a quem estou me transmutando. Só sei que estou reciclando e, em pleno desabafo......  não sei o resultado.
Pessoas ditas normais não se prendem a mudanças, mas eu, como não o sou, me prendo. Virei em 180º, de cabeça pra baixo e do avesso, não esperem as mesmas atitudes... graças a Deus. Não é o primeiro e talvez nem o último renascimento.
Mas enquanto isto ocorre, prefiro ficar calada e quietinha. Tipo, no ventre me escutando, em comunhão, em profusão, me criando, renascendo, refazendo, reinventando, assustada, angustiada, entrando pra dentro de mim pra ver o reverso.
E em verso, quem sabe, eu transforme um poeta incrédulo em poeta de verdade. Carne e osso. Mente e coração. Alguém que simplesmente escreva o que realmente sente. E acredite nisso, não pelo que lhe dizem, mas pelo que sente na alma.
A revolta das gavetas mexe comigo, deixei uma bagagem pra trás que agora está me cobrando atitudes. É um luto o que estou passando e, confesso de novo, dói.
Certas mudanças reviram minha zona de conforto e quando me dou conta estou meio perdida, aturdida, no abandono daquilo que eu era. Mudança de casa, de estado profissional, de vizinhos, de caminhos, de atitudes, vícios, paisagens, de padaria, de rotina e de luto. Aí...
O conteúdo das gavetas foi mexido e remexido, incomodado e desacomodado, esvaziada deixando lacunas ainda incompletas, vazios e vácuos que precisam ser ocupados por novas descobertas.  
Mudanças sempre me desacomodam e mexem muito comigo, mais do que eu gostaria...  
Preciso enterrar alguns mortos para que eu saia do luto e então possa, finalmente, encarar as novas gavetas.
Tô perdidona nelas...

17 Comentários:

Pelos caminhos da vida. disse...

Se ache amiga e qdo isso acontecer vc já deve estar preparada para voltar, vou sentir saudades, te entendo e aceito sua decisão.
Sucessos, felicidades...

Um gdeeeeeee abraço.

beijooo.

Mahria disse...

Acho um absurdo quem cobra disponibilidade dos outros, principalmente se é amigo virtu/real...Mudanças também mexem demais comigo, demoro muito a me acostumar com elas.

Fique bem querida. Permita-se o tempo que for preciso tá?


Bjs
Mah

Silvia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvia disse...

Quero dizer que não importa em que momento, vc escreve lindamente. Juro que me emocionei, e me identifiquei com muitos trechos. Queria ter sua coragem, mulher. Te admiro demais.

Não dê espaço à cobranças. Respeite o seu espaço, e fique certa que, quem gosta de você de verdade te compreende e te aceita como e no momento que estiver. Quando quiser volte, estaremos aqui...

Beijos

Sonhadora disse...

Minha querida

Deixo apenas um abraço apertadinho, e gostei do gatinho.
Volte quando estiver preparada.

Sonhadora

Calu disse...

O senhor tempo leva e tbém traz. Que "ele" te conduza a um tempo de encontro frutífero, de respostas satisfatórias e reconfortantes.
Viva o seu tempo e que lhe seja sempre benéfico.
Bjs,
Calu

REGGINA MOON disse...

Lidia,

Minha querida...vê a quanto tempo não venho te visitar?Então, sinto-me assim também...e sinceramente, nem o meu PC eu tenho vontade de ligar...não devemos nos forçar a nada, visto que, isso aqui não é uma imposição, nada ganhamos, apenas compartilhamos sonhos e versos...quando não estamos no momento de encotrar prazer nisso, melhor mesmo dar um tempo, quem realmente nos acompanha e prestigia, saberá ententer e apenas nos apoiar...pois todos nós aqui da blogosfera nos sentimos assim...é muita doação, é como uma bateria de celular que descarrega...tem de recarregar!.

Um beijo e boa semana!!

Reggina Moon

Tânia Marques disse...

Renascer das cinzas, sobreviver ao caos, perder-se e achar-se, tudo faz parte de um processo dialético de viver. A cada momento estamos sintetizando novas conclusões e filtrando aquilo que nos interessa ou não. Toda busca de si mesmo é dolorida, pois abre feridas, mexe e remexe no baú da nossa memória. No teu caso, abre e fecha gavetas. E não importa se você está solta dentro delas, pois com a sequência do cotidiano as coisas se ajeitam e voltam a se acomodar de novo. Beijo grande em teu coração e conta sempre com a minha amizade.

Lidia Ferreira disse...

Minha querida amiga ,
Não desiste do seu Blog , ele e muito importante para todos nos, e pare de exigir muito de voce
Como todo luto voce tem que vive-lo
e procurar dar a volta por cima
Sei que voce vai conseguir pois es uma guerreira
Vou te esperar
Boa sorte amiga
bjs

Anjo da Terra disse...

Querida. Se não abres mão do abraço, então: dá cá um abraço!! fica tranquila e relaxada . Tudo passa . Seja feliz!

criscramos disse...

Oi querida, me sinto culpada, pois fui uma daquelas pessoas que lhe cobrou, peço que me perdoe por ser assim anciosa, tornou-se um vício paricipar das "Gavetas", mas entendo sua atitude e respeito, volte assim que se sentir preparada, estarei aqui esperando, use o tempo que precizar, tire férias de vc mesma, descanse, se encontre e seja muito mais feliz. Bjs. Cristina.

Je Vois la Vie en Vert disse...

Entendo-te perfeitamente, Lídia !
Passei só para te deixar um abraço sem nada querer cobrar de volta...
Beijinhos
Verdinha

orvalho do ceu disse...

Olá, amiga
Fez muito bem em expor seus desabafos... Vou orar por vc, pois seu potencial é enorme... Tudo vai passar...
Hoje, Domingo, está postado o meu cartão virtual para você que me acompanha com tanto carinho e amizade nesse ano de 2010...
Obrigado pela amizade e que Deus recompense seu incentivo ao meu Blog!!!
BOAS FESTAS!!!
Abraços e bjs festivos
Roselia

Lis disse...

Oi Lidia
Nem sei se estará por aqui ou quando estará, só sei que chego pra te ver.
Estou aqui perdida em amores e leitura bem no meio das gavetas quietinha prescrutando o seu coraçao quando leio poemas como "Pele" onde "fazer amor" é descrito de modo tão gostoso como de fato é fazer amor rs ,
fico longo tempo curtindo a saudade ,a ausencia ,as "perdas " que vamos sofrendo ao longo dos nossos dias , a nossa joía mais preciosa vai embora , e tento conter as lágrimas Lídia, sentidas e doídas.
Refeita leio sobre um caozinho que nao substitui mas deixa os seus olhos e seu ego se encher inflar de novo,porque alguém te espera... que lindeza de amor! o "dorde"Tobias também me comove .
Bem sei o que representa um animalzinho indefeso , tenho a Pitty .
E os segredos confessos ? revelados aos pouquinhos , as sutilezas todas , num tempo total e sem volta quando vai assim poetando pra mim pra "Voce" rs
O post do luto é o toque final?? nao sei , espero que nao.
As vezes também me cansa a ilusão, o virtual me enerva , cadê ele? cadê voce? que raios que deito poemas , palavras que busco da boca dos poetas apaixonados , outras vezes fingidores ( quase todos sao) rs e nada , nem sempe me entendem! quase nunca ... rs
como voce, nem eu me entendo.
Uma brincadeira que virou vício, um dia vou cansar, ainda nao.
gosto de me preparar pra passear pelos blogs, ultimamente só tenho retribuido, fiquei muito conhecida rsrs preciso me preservar mais e o tempo é implacável, preciso dormir , vivo pelas madrugadas rsrs
Paro em janeiro,na virada do ano , será que volto? talvez encontre algo real que me tome por inteiro aí babau, nao nos veremos mais rsrs
minha doce Lídia , amei teu post , dos florais a homeopatia aos vazios e vácuos...
quando voltar , passe lá no jardim da Lis , vem me dar um abraço
deixo muitos pra voce .
seja feliz
bom Natal e desculpe o conteudo e a pieguice , culpa da saudade dessa menina que tem gavetas na alma.
beijinhos

Lidia Ferreira disse...

Desejo que no Ano Novo que se inicia você realmente...
Ouça as palavras que sempre desejou ouvir .
Pronuncie as frases que um dia desejou repetir.
Sinta a emoção que sempre esperou sentir.
Caminhe pelos trilhos que um dia desejou seguir.
Divida o carinho com quem sempre desejou repartir.
Abrace todos os amigos que sempre desejou reunir,
e viva a vida que sempre sonhou existir...
bjs sinta-se abraçado

REGGINA MOON disse...

Lidia,

Feliz Ano Novo...muita Saúde, Amor & Paz!!

Que ele seja tempo de suas renovações....

Receita de Ano Novo

"(...)Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre!

(Carlos Drummond de Andrade)

Beijos......Reggina Moon

KARINA L.A. disse...

TEM MOMENTOS QUE TB PRECISO DESSE ESPAÇO....DE ISOLAMENTO....PRA ME REFAZER...E ME FAZER UMA NOVA MULHER, PESSOA, ALMA....ENTRO E SAIO DO MEU CASULO QTS VEZES ACHO NECESSÁRIO....E UM ABRAÇO DA COLEGA BLOGUISTA KARINA
UM SUPER 2011 PRA TI E PRAS TUAS "MENINAS"(TB SOU MÃE..)