domingo, 15 de maio de 2011

Atingida

Que raio é este que me ofusca
Bulindo minhas entranhas
Sacanas e férteis
Fujo do fel da boca
Enquanto sorrio estranhas

Rio que apaga memórias
Desce encostas
Serpenteia orelhas divinas
Lábios malditos sugam
Estrelas que engoli

Vacino minhas mãos de ti
Me jogo morro acima
Caio molhada na lama
Parindo mordaças alheias
Arrebentando o céu na areia

Rastejo lágrimas tortas
Bocejo flores na cara
No chão, busco anjos
No céu, o inferno
E das nuvens, caio
Ousando sorrisos.

4 Comentários:

soniaconsult disse...

Lindo poema Lidia.
Um bom domingo
Bjs

Sonhadora disse...

Minha querida

Adorei...vacino as minhas mãos de ti...nestas palavras fica condensado todo o sentir do poema.Adorei e deixo um beijinho.

Sonhadora

Marilu disse...

Querida amiga, adorei o poema. Tenha uma linda semana. Beijocas

orvalho do ceu disse...

Olá, querida Lída
Ousar sorrisos... ousados... é tudo o que podemos muitas vezes...
Bjs de paz e ótima semana.